Governo argentino negocia com oposição pela 1ª vez

Depois de seis anos sem pôr os pés na Casa Rosada, líderes da oposição realizaram ontem, pela primeira vez, uma reunião com o governo. Tanto Néstor Kirchner, presidente entre 2003 e 2007, quanto sua mulher e sucessora, Cristina, jamais haviam dialogado com a oposição. A recente derrota nas eleições parlamentares, porém, fez o governo perder a maioria no Congresso e tornou o entendimento obrigatório para dar governabilidade a Cristina.

AE, Agencia Estado

16 de julho de 2009 | 09h26

O anfitrião do encontro foi o ministro do Interior, Florencio Randazzo, homem de confiança dos Kirchners. Até ontem, não havia previsão sobre uma eventual participação da presidente na reunião, em que seriam discutidos o crescimento da pobreza, a manipulação do índice de inflação, o conflito com o setor ruralista e os poderes especiais que o governo possui na área econômica.

Segundo o senador Gerardo Morales, presidente da União Cívica Radical, um dos partidos opositores que participaram do encontro, esta é a última chance de diálogo que tem o governo. ?Cristina está gastando sua última bala de prata?, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.