Al Drago/Pool via AP
Al Drago/Pool via AP

Governo Biden nomeia coordenadora da diplomacia das vacinas dos EUA para o mundo

Secretário de Estado diz que Washington pode em breve aumentar a ajuda no campo das vacinas contra a covid-19 no exterior e não buscará 'favores em troca'

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2021 | 19h18

WASHINGTON - O governo Biden nomeou nesta segunda-feira, 5, Gayle Smith como coordenadora para liderar a diplomacia da vacina contra a covid-19 dos EUA em todo o mundo, ao tentar garantir aos países que buscam mais suprimentos de Washington que a campanha americana está avançando o mais rápido possível.

Nomeada pelo secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, Gayle Smith foi coordenadora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID) sob a administração Obama. Ela passará a desempenhar o papel de coordenadora da Resposta Global Covid e Segurança da Saúde no Departamento de Estado. Smith liderou recentemente a ONE, uma campanha contra a pobreza extrema apoiada pela estrela da música Bono.

Segundo Blinken, Washington pode em breve aumentar a ajuda no campo das vacinas contra a covid-19 no exterior e não buscará "favores em troca". Blinken disse que a principal prioridade de seu país era lutar contra a covid-19 em casa, mas que a meta do presidente Joe Biden de oferecer uma vacina a 90% dos americanos seria alcançada em breve.

"Estamos explorando opções para compartilhar mais com outros países no futuro. Acreditamos que estaremos em posição de fazer muito mais nesta frente", afirmou Blinken.

"Ao ajudar a acabar com uma das pandemias mais mortais da história da humanidade, podemos mostrar ao mundo mais uma vez o que a liderança e a engenhosidade americanas podem fazer", acrescentou.

Reconhecendo o "crescente desespero" em algumas partes do mundo, Blinken disse: "Eu prometo que estamos nos movendo o mais rápido possível".

"Não trocaremos vacinas por favores políticos. Trata-se de salvar vidas", declarou Blinken, em uma crítica velada à China e à Rússia. "Trataremos nossos países parceiros com respeito. Não faremos promessas exageradas sem entregar", disse ele, e prometeu que só distribuirá vacinas "de segurança e eficácia comprovadas"./AFP e Reuters 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.