Governo boliviano ameaça desistir de Assembléia Constituinte

O governo boliviano pode abandonar a Assembléia Constituinte por falta de acordo com a oposição, disse na terça-feira o líder da bancada governista. A medida representaria o fracasso do plano do presidente Evo Morales de reformar a Carta Magna para refundar o país. Morales tenta em vão, há cinco meses, obter avanços na reforma constitucional para dar mais poder à maioria indígena, consolidando a nacionalização dos recursos de energia e a reforma agrária. "Esta é uma semana essencial para a mudança de atitude dos constituintes. Tomara que os partidos pequenos nos apóiem e nos dêem os dois terços. Se não, acredito que teremos que nos despedir da Assembléia Constituinte, porque não podemos ficar mais seis meses sem entregar o texto final", disse a jornalistas Román Loayza, porta-voz dos constituintes do Movimento ao Socialismo (MAS). Governo e oposição não conseguem entrar em acordo sobre o método de votação. O MAS, que possui 137 dos 255 constituintes, quer que as resoluções sejam aprovadas por maioria absoluta, enquanto a oposição exige maioria de dois terços dos votos. A Assembléia Constituinte pode se autodissolver ou ser interrompida pelo Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.