Governo boliviano diz que senador quer constranger Evo

O governo da Bolívia declarou nesta quinta-feira que o senador Roger Pinto, que é da oposição e buscou refúgio na Embaixada do Brasil, onde pediu asilo, tem como objetivo constranger o presidente boliviano Evo Morales, às vésperas da reunião da Organização dos Estados Americanos (OEA), que acontecerá na próxima semana. O embaixador da Bolívia na OEA, Diego Pari, disse que o gesto do senador Roger Pinto faz parte de uma "campanha de difamação" lançada pela oposição boliviana antes da reunião da OEA que começará no próximo domingo na cidade de Cochabamba, na Bolívia central.

AE, Agência Estado

31 Maio 2012 | 19h10

O senador Roger Pinto, do Estado de Pando, afirma que sofre perseguição política do governo de Evo Morales e que corre risco de vida. O senador afirma que ele e sua família já foram ameaçados. Ele também afirma que possui provas de corrupção no governo de Evo. Já a promotoria da Bolívia afirma que o senador tem acusações de corrupção contra ele. O Brasil ainda não se manifestou se concederá ou não asilo ao senador.

O deputado Lucio Marca, do Movimento ao Socialismo (MAS) do presidente Evo Morales, disse o senador se faz de "vítima" e que na Bolívia "não existe perseguição política", disse em declarações à Agência Boliviana de Informação (ABI). Uma matéria da agência afirma que o senador de Pando tem 20 processos criminais, um deles por supostamente ter desviado recursos da zona franca de Cobija, na amazônia boliviana.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.