Governo boliviano e oposição retomam diálogo amanhã

O governo da Bolívia e o Conselho Nacional Democrático (Conalde), grupo que representa os estados de oposição ao presidente Evo Morales, fecharam as bases para um diálogo a fim de encerrar a crise em torno do Imposto Direto aos Hidrocarbonetos, que provoca confrontos e desabastecimento de gás no país. O encontro durou oito horas e varou a madrugada deste sábado. Uma outra reunião está prevista para amanhã, onde a intenção é continuar o diálogo, informa a agência de notícias argentina Telam. Citando a agência de notícias ABI, a Telam diz que Mario Cossío, governador de Tarija e representante do Conalde, afirmou que as bases de negociação foram estabelecidas e serão levadas a seus colegas do Conalde e depois disso uma posição consensual será apresentada. O Poder Executivo, segundo informou o vice-ministro de Descentralização, Fabián Yaksic, avaliará agora os resultados deste primeiro encontro."Há vontade de continuar o diálogo. Vamos voltar a nos reunir no domingo", afirmou Yaksic.Quatro estados ou Departamentos - Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija - se opõem à política de Evo Morales e exigem autonomia e a restituição do imposto sobre gás e petróleo que foi confiscada para pagamento de pensão nacional aos aposentados. Ontem, Morales reiterou que está disposto a compatibilizar o projeto constitucional com os estatutos de autonomia que as regiões aprovaram em consultas populares, convocadas sem a autorização do governo central. Os governadores dos Departamentos de oposição exigem mais autonomia para suas regiões e acusam Evo pela onda de violência do país e a sabotagem aos gasodutos, que provocaram o caos na indústria de gás natural.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.