Governo brasileiro pede cessar-fogo na Líbia

Em nota, Itamaraty defendeu o fim dos conflitos 'no mais breve prazo possível'.

BBC Brasil, BBC

21 Março 2011 | 20h27

Rebeldes comemoraram os ataques da coalizão na Líbia

O Itamaraty divulgou nesta segunda-feira uma nota sobre o conflito na Líbia, pedindo diálogo e um cessar-fogo entre as forças do líder Muamar Khadafi e os rebeldes que pedem a sua saída do poder.

"O governo brasileiro manifesta expectativa de que seja implementado um cessar-fogo efetivo no mais breve prazo possível, capaz de garantir a proteção da população civil, e criar condições para o encaminhamento da crise pelo diálogo", afirma o comunicado.

Desde sábado, uma coalizão militar vem realizando bombardeios aéreos na Líbia, seguindo a resolução da ONU que estabeleceu uma zona de exclusão aérea na Líbia, para proteger os civis opositores contra bombardeios do governo.

No domingo, um ataque com míssil destruiu um edifício que seria um centro de comando em Trípoli de Khadafi.

Participação do povo

Além de lamentar as mortes de vítimas do conflito e reiterar a solidariedade do Brasil com o povo líbio, o Itamaraty também defendeu uma maior participação da população no futuro político do país.

O governo brasileiro reafirmou ainda seu apoio enviado especial do secretário-geral da ONU para a Líbia, Abdelilah Al Khatib, e do Comitê de Alto Nível estabelecido pela União Africana, destacando "seus esforços na busca de solução negociada e duradoura para a crise".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.