Governo brasileiro pretende retirar 780 do Líbano até domingo

O Itamaraty confirmou nesta terça-feira quatro vôos para a retirada de 780 brasileiros (número aproximado) até o final desta semana. A FAB e a empresa aérea TAM se revezarão na tarefa de retirar os brasileiros da zona de conflito. O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, foi pessoalmente à Turquia - de onde sairão os vôos - para garantir o transporte dos cidadãos.Nesta terça mais um grupo de 80 brasileiros foi repatriado e com esse grupo o total de pessoas retiradas com a ajuda do governo brasileiro chega a 328.O revezamento dos próximos vôos serão divididos entre o Boeing-707, o "Sucatão" da FAB, e aviões da TAM. Na quarta-feira o Itamaraty prevê a chegada de 375 brasileiros, 150 no "Sucatão" e os outros 225 pela TAM. Já na quinta-feira é prevista a chegada 80 pessoas, trazidas pela FAB. A TAM só voaria novamente no sábado, transportando outro grupo de 225 passageiros.Os vôos da TAM partirão de Damasco, capital da Síria. Na quarta-feira a empresa bancará todos os custos do transporte, mas no sábado ela dividirá as despesas com o governo brasileiro.Durante toda a segunda-feira, a diplomacia brasileira intensificou a retirada dos cidadãos que estavam no Vale do Bekaa. Um comboio com seis ônibus transportando um grupo de 305 brasileiros saiu da região, no leste do Líbano, em direção a Damasco, na mais delicada operação de retirada de brasileiros desde o início dos bombardeios israelenses contra alvos no sul do Líbano, no último dia 12. Antes da operação, os governos brasileiro e israelense entraram em intensas negociações sobre a melhor rota para o comboio. Os ônibus começaram a sair da madrugada desta segunda-feira e no início da manhã, horário de Brasília.Israel deu inicio à operação no Líbano após o Hezbollah matarem três soldados e capturarem outros dois na fronteira entre os dois países, no dia 12 de julho. Pelo menos 391 pessoas perderam suas vidas do lado libanês, incluindo 20 soldados e 11 militantes do Hezbollah, outras 1.596 foram feridas durante a batalha, de acordo com autoridades libanesas.Já o total de mortos do lado israelense fica em 41, com 17 civis mortos por mísseis lançados pelo grupo extremista e 24 soldados mortos durante os combates.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.