Governo britânico estuda suspender envio de armas a Israel

Se hostilidades em Gaza forem retomadas, Grã-Bretanha deverá cancelar 12 licenças de exportação de produtos militares

O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2014 | 17h32

LONDRES - A Grã-Bretanha informou nesta terça-feira, 12, que suspenderá 12 licenças de exportação de produtos militares para Israel, entre eles tanques, aviões e peças de radar, se as hostilidades com o Hamas em Gaza forem retomadas.

O governo britânico disse estar preocupado com o fato de os produtos poderem ser usados para violar leis internacionais. Na semana passada, a Grã-Bretanha disse que estava revendo todas as licenças de exportação de armas para Israel em razão do conflito.

Após a revisão, ficou decidido que 12 licenças podem ser temporariamente suspensas, até realização de uma investigação mais profunda, se a atual trégua for rompida e os combates recomeçarem.

"O governo britânico não tem sido capaz de esclarecer se os critérios de licença de exportação estão sendo atendidos", disse o secretário de Negócios, Vince Cable, em comunicado. "Em razão da incerteza, tomamos a decisão de suspender essas licenças de exportação existentes em caso da retomada das hostilidades."

Israel diz que a operação em Gaza tem a intenção de interromper os disparos de foguetes por militantes palestinos e destruir túneis que ligam os territórios.

De acordo com o relatório de uma comissão parlamentar britânica no mês passado, os contratos aprovados pelo governo para a exportação de produtos militares ou de uso civil-militar para Israel são de mais de 7,8 bilhões de libras (US$ 13 bilhões). Eles incluem contratos de fornecimento de coletes à prova de balas, componentes teleguiados e peças de mísseis.

A Grã-Bretanha afirmou que as suspensões não incluem componentes para o sistema Domo de Ferro de Israel, que protege o país de foguetes disparados pelo Hamas. / REUTERS

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
IsraelGazaGrã-Bretanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.