Governo britânico 'rejeitou advertência sobre ilegalidade da Guerra do Iraque'

Conselheiros do Ministério do Exterior teriam alertado que invasão seria um 'crime de agressão'.

BBC Brasil, BBC

26 de janeiro de 2010 | 19h09

Os dois mais importantes conselheiros legais do Ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha nos meses que antecederam a guerra no Iraque afirmaram que advertiram o governo em diversas ocasiões que a invasão era "ilegal".

As declarações dos advogados Michael Wood e Elizabeth Wilmshurst foram feitas nesta terça-feira durante um inquérito parlamentar britânico sobre os fatos que antecederam a guerra no Iraque, iniciada em setembro de 2002.

Wood disse que alertou o então ministro do Exterior, Jack Straw, que a invasão sem o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU) "seria um crime de agressão".

Straw, no entanto, teria dito a Wood que ele estava sendo "dogmático" e que "a lei internacional era bastante vaga".

Na semana passada, Straw prestou depoimento no inquérito e afirmou que a decisão de apoiar a guerra no Iraque foi "a mais difícil" da sua carreira, descrevendo-a como "um dilema político e moral profundamente difícil".

'Sem transparência'

Elizabeth Wilmshurst, que renunciou ao cargo em protesto dias antes da invasão, descreveu o processo como "lamentável" e sem transparência.

De acordo com os advogados, os ministros britânicos teriam rejeitado os alertas dos conselheiros e seguido a opinião formal do então advogado-geral, Peter Goldsmith, que afirmou que a força poderia ser usada legalmente sem a aprovação da ONU.

Goldsmith deve prestar depoimento no inquérito nesta quarta-feira. Além dele, o ex-primeiro-ministro Tony Blair será ouvido pelo inquérito, que também ouvirá o ex-ministro da Defesa britânico Geoff Hoon.

O atual primeiro-ministro, Gordon Brown, que sucedeu Blair no poder, deverá ser ouvido depois das eleições gerais, esperadas para maio.

O relatório final do inquérito será publicado no começo do ano que vem.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.