Governo britânico tentou esconder investigação de óvnis

O Ministério da Defesa britânico tentou evitar que o público viesse a saber do trabalho de uma unidade encarregada de investigar supostas aparições de objetos voadores não-identificados, de acordo com reportagem publicada nesta segunda-feira. De acordo com o jornal The Guardian, documentos liberados sob a Lei de Liberdade de Informação a dois pesquisadores acadêmicos mostra que autoridades do ministério tentaram eliminar informações sobre a unidade, chamada DI55, do lote de registros oficiais que são liberados, rotineiramente, a cada 50 anos.Os registros sobre a tentativa de eliminação dos documentos referentes à DI55 foram obtidos pelos professores de Jornalismo David Clarke e Andy Roberts. "Esses documentos não nos dizem nada sobre óvnis, mas mostram o desespero (do ministério) em esconder o interesse que os serviços de espionagem tinham no assunto", disse Clarke.Após um pedido de acesso público aos documentos sobre óvnis feito em 1976, o chefe de segurança do ministério se opôs à divulgação dos arquivos porque eram confidenciais e "de muito pouco interesse para um cientista sério"."É indesejável que até mesmo uma sugestão disso venha a público, e estamos consultando (o Serviço de História Aeronáutica) sobre meios de expurgar os registros oficiais, antes do tempo em que estarão qualificados para liberação", escreveu o funcionário.Esse ponto de vista mudou radicalmente em 1997, quando autoridades disseram não haver motivos para negar que o governo havia se interessado em óvnis.Em maio deste ano, o Ministério da Defesa liberou um relatório de quatro volumes sobre as investigações militares sobre óvnis, concluindo que: não há evidência para associar a atividade de objetos voadores não-identificados a um país específico; muitos relatos do tipo baseavam-se em fenômenos naturais que os observadores não compreendiam, e que, com menor freqüência, as observações estavam associadas a fumaça e poeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.