Governo Bush nega ter vazado vídeo da Al Qaeda

O governo Bush negou na terça-feirater vazado um vídeo de Osama bin Laden obtido por uma entidadeprivada que monitora o terrorismo e se sente prejudicada porter revelado seus métodos e perdido uma chance de acompanhar aAl Qaeda. O Instituto Site disse em artigo no jornal The WashingtonPost que vários anos de trabalho dedicados a monitorar ascomunicações da Al Qaeda foram perdidos quando agências dogoverno divulgaram prematuramente trechos de um vídeo de BinLaden, no mês passado. "Técnicas que levaram anos para serem desenvolvidas agorasão ineficazes e inúteis", disse Rita Katz, fundadora do Site,ao Post. Um porta-voz do instituto confirmou o teor do artigo, masnão quis entrar em detalhes. A Casa Branca nega que tenha vazado o vídeo, mas prometeuinvestigar o que aconteceu. O gabinete do diretor deInteligência Nacional disse que as agências de inteligência dosEUA não estiveram envolvidas, e que o governo tem "as pessoasadequadas e os métodos adequados" para monitorar a Al Qaeda. O que está em questão é um vídeo de Bin Laden, seu primeiroem três anos, preparado para o sexto aniversário dos atentadosde 11 de setembro de 2001. Um site islâmico havia anunciado o vídeo em 7 de setembro,e horas depois funcionários do governo dos EUA anunciaram quejá haviam obtido uma cópia e estavam analisando-a. O Site disse ter obtido o vídeo antes de sua divulgaçãopela Al Qaeda e permitido que dois importantes funcionários dogoverno Bush tivessem acesso a ele, sob a condição de nãorevelar seu conteúdo antes do lançamento oficial. Mas computadores do governo foram rapidamente usados parabaixar o vídeo dos servidores do Site, e o vídeo com arespectiva transcrição foram passados a órgãos de comunicaçãopor pessoas de dentro do governo, segundo o artigo do Site.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.