Governo cede e ativista indiano fará jejum público

O combalido governo indiano cedeu aos protestos populares e autorizou o ativista Anna Hazare a realizar publicamente uma greve de fome de 15 dias para pedir a adoção de novas leis contra a corrupção.

PAUL DE BENDERN, REUTERS

18 de agosto de 2011 | 10h05

Hazare, de 74 anos, pretendia iniciar seu jejum na terça-feira, mas foi preso horas antes por ter desrespeitado as exigências das autoridades para realizar o ato. A prisão dele acabou gerando protestos que mobilizaram milhares de pessoas em todo o país, forçando o governo a recuar.

"Anna deseja congratular a todos ao iniciarmos este grande impulso para a luta contra a corrupção", disse o ativista social Arvind Kejriwal, ligado a Hazare. "Ele quer que todos nós continuemos nesta forma pacífica e calma de protesto."

O governo, que enfrenta um dos maiores movimentos populares de protesto desde a década de 1970, decidiu libertar Hazare horas depois de detê-lo, mas o ativista recusou-se a deixar a penitenciária de Tihar enquanto não fosse autorizado a realizar seu protesto em público.

O acordo nesse sentido foi alcançado na madrugada de quinta-feira, causando uma explosão de alegria junto à multidão que se postava na frente da prisão. Muitos cantavam, tocavam violões e agitavam a bandeira indiana.

Hazare - cuja figura, sempre de bata e touca brancas e com óculos de aros finos, evoca a do herói nacional Mahatma Gandhi - deve adiar o seu jejum público até sexta-feira, porque o parque Ramlila Maidan, no centro de Délhi, ainda não está pronto para receber uma grande multidão, disseram seus assessores a jornalistas.

Os protestos em várias cidades indianas, convocados por redes sociais, não só abalaram o governo do Partido do Congresso como também repercutiram em toda a classe política.

Estudantes, advogados, professores, executivos, trabalhadores do setor tecnológico e funcionários públicos saíram às ruas de Nova Délhi e de inúmeras cidades e aldeias de norte a sul do país.

Na noite de quarta-feira, milhares de jovens realizaram vigílias à luz de vela em cidades como Délhi, Hyderabad e Mumbai.

Tudo o que sabemos sobre:
INDIAHAZAREJEJUM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.