Governo chileno anuncia compra de armamentos

O governo chileno anunciou nesta terça-feira sua mais recente compra de equipamentos bélicos. A aquisição tem o objetivo de substituir o antigo arsenal, e não quebrar o equilíbrio militar regional, informou um porta-voz do governo. "O que o Chile está fazendo é substituir material militar obsoleto. Não há corrida armamentista aqui", disse o porta-voz Ricardo Lagos Os comentários de Lagos foram feitos um dia depois que o ministro do Exterior do Peru, Oscar Maurtua, expressou sua preocupação sobre as aquisições chilenas. Em entrevista à estação Radioprogramas em Lima, Maurtua disse que as armas compradas pelo Chile chamam a atenção por seu nível de sofisticação tecnológica, e vai além de uma simples renovação de arsenal. Oficiais bolivianos também ficaram preocupados com a compra chilena. O Chile comprou quatro fragatas da Holanda e do Reino Unido, e está esperando a entrega de dois submarinos Scorpene, construídos por um consórcio franco-espanhol. Duas das fragatas já foram entregues à Marinha chilena. Na semana passada, o governo anunciou que havia concordado em comprar 118 tanques Leopardo, construídos na Alemanha. O Ex-ministro da Defesa, Jaime Ravinet, disse que o objetivo seria substituir "antigas unidades da época da Guerra da Coréia". O governo chileno também está comprando dez jatos F-16 dos Estados Unidos e 18 jatos de segunda mão da Holanda. A Força Aérea chilena já recebeu dois dos novos jatos. A compra de novos equipamentos para a Marinha, Exército e Aeronáutica custou mais de U$1.5 bilhão, segundo o governo.

Agencia Estado,

04 Abril 2006 | 19h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.