Governo chileno considera de ´mau gosto´ falar sobre funeral

O governo chileno considerou uma atitude "de mau gosto" falar de um eventual funeral do ex-ditador Augusto Pinochet, que neste domingo foi internado às pressas, após sofrer um ataque cardíaco. "Creio que é uma atitude maldosa falar de funerais quando as pessoas ainda estão vivas", disse o porta-voz do governo, Ricardo Lagos Weber, em resposta a jornalistas.De acordo com os médicos, a vida de Pinochet realmente corre risco. O ex-ditador está internado no Hospital Militar de Santiago e foi submetido a uma angioplastia. "Estamos acompanhando o que dizem os médicos responsáveis", concluiu Lagos Weber, após dizer que o governo foi informado "por meio dos veículos comuns" sobre a situação de Pinochet. De acordo com o porta-voz, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, foi informada da internação de Pinochet às 7 horas deste domingo. Ele descartou também a idéia de que um eventual falecimento de Pinochet representaria uma complicação para o governo.Quando era candidata, no ano passado, Bachelet descartou a idéia de realizar um funeral de Estado para o ex-ditador. Na ocasião, o governo alegou que em um caso como esse, há normas protocolares que devem ser cumpridas.Nos últimos meses, o Exército do Chile também assegurou que, caso Pinochet morra, existe um procedimento correto que se aplica aos ex-comandantes. A família do ex-ditador já afirmou que prefere uma cerimônia privada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.