REUTERS/Tyrone Siu
REUTERS/Tyrone Siu

Governo chinês condena ataque ao Parlamento de Hong Kong

Manifestações da última segunda-feira, 1, refletem o temor dos moradores de Hong Kong ante a crescente influência do governo da China

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2019 | 04h41

PEQUIM - O governo da China condenou "energicamente" nesta terça-feira, 2, o ataque de manifestantes ao Conselho Legislativo de Hong Kong na última segunda, 1.  O episódio ocorreu no aniversário da devolução da cidade ao controle chinês em 1997, em meio à revolta generalizada com um projeto de lei que permitiria extradições à China

O Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado divulgou nesta terça uma declaração que chama a ação de "muito violenta". Além disso, assegura que "alguns ativistas extremistas, sob o pretexto de se oporem à emenda de certos regulamentos do governo de Hong Kong, danificaram voluntariamente as instalações do Conselho Legislativo".

Pequim mostrou seu "forte apoio" às autoridades de Hong Kong e à polícia local para "cuidar do incidente de acordo com a lei" e "investigar a responsabilidade criminal dos delinquentes violentos".

Os atos, segundo o gabinete, "violam o Estado de direito, menosprezam a ordem social e prejudicam os interesses fundamentais" da ex-colônia britânica, ao mesmo tempo em que representam um "desafio descarado" no princípio de 'um país, dois sistemas' que rege a autonomia em certas áreas da qual desfruta Hong Kong.

O porta-voz da organização reiterou seu apoio aos líderes locais e aos policiais para que "cumpram suas tarefas", entre as quais a "restauração da ordem social, normalizando o mais rápido possível, salvaguardar a segurança pessoal e das propriedades dos cidadãos, assim como a prosperidade e estabilidade de Hong Kong".

A manifestação de segunda foi a última de várias manifestações nas últimas semanas a exigir a retirada do polêmico projeto de extradição, o que facilitaria a entrega de suspeitos a outras jurisdições, incluindo a China continental. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
China [Ásia]Hong Kong

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.