Governo chinês desenvolverá seu próprio site de buscas

País quer impulsionar um 'desenvolvimento ordenado' dos novos meios de comunicação

Efe,

14 de agosto de 2010 | 02h29

PEQUIM - O governo chinês anunciou que desenvolverá seu próprio site de buscas, iniciativa que representa uma nova etapa nas relações entre a China e o Google, que após meses de discórdia renovou, em julho, sua licença para operar no país.

 

A agência oficial de notícias Xinhua e a China Mobile Communications, a operadora de telecomunicações líder em número de usuários, assinaram um acordo para conduzir o projeto, informou a própria agência.

 

Segundo o vice-presidente da Xinhua, Zhou Xisheng, a empresa criará o buscador "sob o nome de Search Engine New Media International Communications".

 

Zhou disse que a companhia "também trabalhará no desenvolvimento de negócios nos setores de internet, meios impressos e publicidade".

 

De acordo com o presidente da Xinhua, o projeto é um esforço da China para proteger sua segurança na informática e impulsionar um desenvolvimento ordenado dos novos meios de comunicação.

 

Zhou não deixou de lembrar que "os buscadores desempenham um papel cada dia mais importante na difusão da informação e seu impacto na opinião pública".

 

Sha Yuejia, vice-presidente da China Mobile, declarou que "a nova empresa aproveitará as vantagens das duas partes para oferecer produtos e serviços atrativos e competitivos".

 

Por enquanto, nenhuma das duas partes quis dar detalhes sobre quando a companhia começará a funcionar e quanto capital será investido.

 

No final de junho, a China contava 420 milhões de internautas, o maior contingente de usuários no mundo, graças ao aumento de conexões por meio de telefones celulares.

A China superou os Estados Unidos como maior mercado da internet do mundo em fevereiro de 2008, quando chegou a 221 milhões de internautas.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinainternet

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.