Governo colombiano e as Farc abrem mesa de negociações na Noruega

Encontro marcará o início da segunda fase do processo de paz entre a Colômbia e os guerrilheiros

Efe,

18 de outubro de 2012 | 11h05

HURDAL - As delegações do governo colombiano e das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) apresentam nesta quinta-feira, 18, em um hotel de Hurdal, aos arredores de Oslo, a constituição da mesa de negociações que será transferida posteriormente a Havana.

Veja também:

linkGuerrilheira holandesa negociará pelas Farc

linkANÁLISE: Os cinco pontos-chave das negociações entre a Colômbia e as Farc

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Um forte dispositivo policial e vários veículos de imprensa de diferentes países criavam uma espécie de cerco ao hotel, um reflexo da expectativa em torno do encontro, que marcará o início da segunda fase do processo de paz entre o governo colombiano e os guerrilheiros.

Ontem, pouco depois de terem chegado à capital norueguesa, ambas as delegações realizaram um encontro em um local não divulgado para acertar os últimos detalhes logísticos das conversas.

Já nesta quinta, as delegações vão ler a declaração conjunta e, posteriormente, explicar suas respectivas posições em entrevistas coletivas.

A abertura da mesa de diálogo ocorre um dia depois do previsto devido à questões logísticas. Esses imprevistos atrasaram em dois dias a chegada das delegações.

Entre as causas da demora, o líder máximo da guerrilha, conhecido como "Timochenko", citou o atraso por parte das autoridades judiciais em suspender as ordens de prisão contra os delegados das Farc, que, segundo a Interpol, já foram suspensas.

O Governo e as Farc assumiram o compromisso de iniciar este diálogo de paz em Havana, no último dia 26 de agosto, mediante o chamado "acordo geral para o término do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura".

O acordo, que não inclui um cessar-fogo prévio, foi assinado após seis meses de "conversas" em Cuba, país onde também se desenvolverão as negociações de paz após a inauguração em Oslo.

Além disso, Cuba atua como fiador do processo, da mesma forma que Noruega, enquanto a Venezuela e o Chile foram designados como acompanhantes.

 

 
Tudo o que sabemos sobre:
ColômbianegociaçõesFarcNoruega

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.