Jose Miguel Gomez /Reuters
Jose Miguel Gomez /Reuters

Governo colombiano e Farc concluem visitas em área onde guerrilha se concentrará após acordo de paz

Mais de 100 delegados participaram das visitas às zonas onde os rebeldes se reunirão como parte do cessar-fogo bilateral estabelecido em junho

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2016 | 09h57

BOGOTÁ - Delegados do governo colombiano e das Farc concluíram no domingo as visitas às áreas onde se concentrará a guerrilha após a eventual aprovação de um acordo de paz, informaram as partes.

"As delegações do Governo Nacional e das Farc-EP informamos que depois de seis dias de intenso trabalho simultâneo em várias regiões do país, hoje (domingo) finalizamos as visitas técnicas às 'veredas'" (seções administrativas municipais), onde os insurgentes se concentrariam, afirmaram em um comunicado conjunto.

Nestas zonas se reunirão os rebeldes durante seu desarmamento, como parte do cessar-fogo bilateral e definitivo estabelecido em junho, e que entrará em vigor assim que for assinado o acordo final de paz, provavelmente nas próximas semanas. Este deverá, em seguida, ser referendado em consulta popular.

"Nas visitas realizadas, as equipes técnicas formadas por engenheiros, cartógrafos, topógrafos, com o apoio de tecnologia por satélite, coletaram mais de 800 imagens e fotos aéreas, assim como informação para que a Mesa de Conversações em Havana tome as decisões finais" sobre a localização das zonas, explicaram.

O governo do presidente Juan Manuel Santos e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) negociam desde 2012, em Cuba, o fim de um conflito armado de mais de meio século. A missão percorreu 22 das 23 zonas de “vereda” acordadas na mesa de negociação, localizadas em 15 departamentos (Estados) do país, e o local em que serão montados os oito acampamentos onde os guerrilheiros se reunirão.

"De comum acordo, decidimos adiar a visita técnica à vereda proposta no município de Caldono, Cauca", afirmaram, sem explicar a razão.

Participaram das visitas 150 delegados do governo, entre eles o general do Exército Javier Flórez, assim como 33 guerrilheiros que chegaram de Havana sob o comando do negociador insurgente Carlos Antonio Lozada e os chefes das frentes das Farc nestas áreas.

Também participaram representantes de Cuba e Noruega, países garantidores das negociações, e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). A eles se somaram alguns governadores e prefeitos das regiões em que se situarão as zonas de concentração e observadores internacionais da missão da ONU na Colômbia. / AFP

Veja abaixo: O acordo de paz entre Colômbia e as Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.