Governo colombiano e Farc vão retomar negociações

O representantes do governo colombiano e das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram nesta quarta-feira que vão retomar as negociações em 10 de dezembro. Eles disseram que a crise provocada pelo sequestro do general Rubén Darío Alzate foi superada. O episódio levou o presidente Juan Manuel Santos a encerrar o diálogo com o grupo guerrilheiro.

Estadão Conteúdo

03 de dezembro de 2014 | 20h33

O negociador oficial, Humberto de la Calle, e o comandante da guerrilha Iván Márquez, nome de guerra de Luciano Marín Arango, se apresentaram à imprensa em Havana. Funcionários de Cuba e da Noruega, os dois garantidores do processo de paz discutido na ilha desde o fim de 2012, levam um comunicado que afirma que "após analisar conjuntamente os atos nas últimas semanas, consideramos a crise superada". O Chile e a Venezuela também acompanham o processo.

As delegações concordaram em estabelecer um mecanismo permanente por meio dos países garantidores do processo de paz para "facilitar a solução de eventuais crises no futuro", de acordo com o documento. As delegações se propuseram a "chegar a um acordo o mais rápido possível" para o conflito.

Santos comemorou a decisão. "Esse é um passo importante na construção de confiança e de um ambiente melhor para avançar mais rápido, que é outro de nossos propósitos, para resolver totalmente este conflito e assim salvar vidas, evitar sofrimento e ter finalmente, depois de 50 anos, paz em nosso país", afirmou. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.