Governo colombiano quer trocar seu Sucatão

Após contínuas falhas nos dois aviões a serviço do presidente da República, a Força Aérea Colombiana (FAC) recomendou a aquisição de uma aeronave segura, moderna e com maior autonomia de vôo.?A aquisição será determinada pelos recursos disponíveis e o custo das aeronaves?, disse à Associated Press o comandante das FAC, general Héctor Fabio Velasco.Velasco explicou que há dois tipos de aviões recomendados para a compra.Por um lado, estão os aviões que têm capacidade para fazer tanto vôos continentais sem escalas, por exemplo entre Bogotá e Nova York, como vôos intercontinentais e para a Europa com escalas. Para este tipo foram recomendados o Airbus 319, de fabricação européia, e o americano Boeing 737.Entre os aviões de curto alcance, para vôos nacionais e continentais com escalas, foram recomendados o Bombardier CRJ 700 canadense e o Embraer ERJ 170, fabricado no Brasil. Velasco afirmou que o ministério da Defesa tomará a decisão que melhor se ajuste às disponibilidades do orçamento colombiano. Para a compra do avião, o governo espera gastar entre US$ 30 milhões e US$ 35 milhões - quantia que não seria suficiente para a compra de um Airbus ou um Boeing. Dentro do orçamento previsto, as opções estariam entre as aeronaves de fabricação canadense ou brasileira.A substituição do avião presidencial vem sendo projetada há anos, mas recentes incidentes nos vôos do presidente Alvaro Uribe, embora não tenham constituído séria ameaça à sua segurança, determinaram que o tema ganhasse caráter de urgência. Em agosto, falhas mecânicas e até mesmo alarmantes emissões de fumaça na cabine de comando retardaram viagens de Uribe em vôos domésticos e ao Paraguai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.