Pierre Torres/AFP
Pierre Torres/AFP

Governo comemora ganhos em Alepo, mas ativistas negam

Secretário de Defesa dos Estados Unidos disse que ofensiva é mais um 'prego no caixão de Assad'

AE, Agência Estado

30 de julho de 2012 | 08h53

BEIRUTE - As forças do governo sírio lançaram novos ataques terrestres contra bairros controlados por rebeldes na cidade comercial de Alepo, afirmou a imprensa estatal nesta segunda-feira. A ofensiva, no entanto, falhou em expulsar a oposição de seus redutos, dizem ativistas.

Veja também:

linkSob bombas e sem água e comida, rebeldes em Alepo resistem

linkEUA dizem que ataque de regime sírio a Alepo é ‘prego no caixão de Assad’

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O Exército da Síria está mobilizando suas tropas em torno de Alepo e bombardeia com tanques de guerra e helicóptero os bairros tomados pelos rebeldes nos últimos 10 dias. Também ocorreram incursões periódicas de tanques do governo, mas os rebeldes não recuaram.

O uso de armas pesadas, particularmente os helicópteros, é só mais um prego no caixão do presidente Bashar Assad, disse na noite de domingo o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta. "Seu regime está chegando ao fim", disse ele na Tunísia, durante visita ao Oriente Médio.

Cerca de 200 mil civis, quase 10% da população, fugiram da cidade, afirma a responsável por questões humanitárias da Organização das Nações Unidas (ONU), Valerie Amos, citando o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho sírio. Alepo é a maior cidade da Síria, com cerca de 3 milhões de habitantes.

A mídia estatal reportou na noite de domingo que as forças do regime "purgaram" o bairro de Salaheddine, sudoeste da cidade, e infligiram "grandes perdas" nos rebeldes. Também foram realizadas operações bem-sucedidas no bairro de Sukhour, parte nordeste de Alepo, afirmou a agência de notícias.

Os ativistas, entretanto, refutaram as alegações e descreveram apenas mais um dia de intensos bombardeios em certas áreas, acompanhados por incursões terrestres ocasionais. "Eles têm tanques de guerra próximos à Hamdaniya e há combates. Também aconteceram bombardeios aleatórios em Salaheddine", contou Mohammed Saeed, que está na cidade.

O governo de Assad está sofrendo com uma série de deserções, incluindo três diplomatas graduados e diversos comandantes militares. Na segunda-feira, a Turquia anunciou que um general de brigada sírio, que era o vice-chefe de polícia da região de Latakia , desertou.

O general estava em um grupo de 12 oficiais sírios que atravessaram a fronteira na noite de domingo, disse uma autoridade turca, que falou em condição de anonimato. Mesmo assim, o Exército da síria permanece em grande parte intacto e supera em muito as forças rebeldes.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.