Governo confirma 29 mortes em atentado em Riad

Autoridades da Arábia Saudita informaram hoje que os atentados contra um complexo residencial em Riad, capital da Arábia Saudita, deixaram 29 pessoas mortas e quase 200 feridos. Os corpos carbonizado dos nove homens-bomba que cometeram o atentado também foram resgatados.Embora autoridades confirmem a morte de 29 pessoas, entre elas 10 americanos, Niels Joergen Secher, um médico dinamarquês que trabalha em Riad disse que o hospital Rei Faisal recebeu entre 40 e 50 corpos.A informação sobre foi dada pelo jornal dinamarquês Jyllands-Posten, na edição online. O jornal não deu mais detalhes e a direção do Rei Faisal se recusaram a dar detalhes.Pelo menos três grandes explosões, aparentemente provocadas por carros-bomba, atingiram nesta segunda-feira o conjunto de moradias Al-Hanra, na zona leste de Riad, a capital do país, habitado exclusivamente por estrangeiros. A explosão ocorreu na véspera da chegada do secretário de Estado americano, Colin Powell, à Arábia Saudita Momentos depois, uma quarta explosão atingiu as instalações de uma empresa americana. Testemunhas disseram que uma das explosões provocou grande incêndio no conjunto habitacional, às margens da rodovia que liga o centro da cidade ao aeroporto. Acrescentaram que centenas de policiais, soldados, ambulâncias e carros do corpo de bombeiros rumaram rapidamente para o local.Moradores sauditas de Gharnata, um bairro próximo, disseram ter ouvido uma explosão nas instalações da Venyl, uma empresa americana, cujos técnicos instruem cadetes da Guarda Nacional saudita, comandada pelo príncipe herdeiro Abdala ben-Abdel Aziz. As testemunhas viram espessos rolos de fumaça saindo da região.O secretário de Estado dos Estados Unidos, Colin Powell, declarou hoje em Amã, capital da Jordânia, que os atentados ocorridos horas antes em Riad, capital da Arábia Saudita, têm a ?marca da Al-Qaeda?. Powell afirmou ainda desejar esforços redobrados no combate ao terrorismo, que qualificou como ?um fenômeno global?. Segundo o secretário, ?os Estados Unidos não serão detidos na busca da paz ao redor do mundo?. Powell disse também que considera os homens-bomba suicidas ?indivíduos covardes?. Depois da entrevista em Amã, Powell seguiu para Riad, onde já se encontra.O incidente ocorreu poucas horas depois que o Departamento de Estado dos EUA lançou uma advertência aos cidadãos americanos para que não viajassem à Arábia Saudita em conseqüência dos sérios riscos de atentados. O secretário de Estado, Colin Powell, busca apoio dos governos árabes para o novo plano de paz para o Oriente Médio, patrocinado por EUA, Rússia, União Européia e ONU. Nesta segunda-feira ele estava em Amã, na Jordânia, e não se sabia se manteria a ida a Riad.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.