Governo conservador grego vence eleições parlamentares

Segundo resultados oficiais parciais, o partido Nova Democracia obteve 42% dos votos e os socialistas, 38%

Reuters e AP, Atenas, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2017 | 00h00

O governo conservador venceu as eleições parlamentares de ontem na Grécia, indicaram resultados parciais. Apuradas 98% das urnas, o partido Nova Democracia, do primeiro-ministro Costas Karamanlis, que busca um segundo mandato de quatro anos, tinha 41,91% dos votos. O opositor Movimento Socialista Pan-Helênico (Pasok), liderado pelo ex-chanceler George Papandreou, estava em segundo, com 38,13% dos votos. A participação do eleitorado foi de 73%."Agradeço sua confiança. Hoje, vocês falaram alto e claramente. Deram ao Nova Democracia um mandato claro para continuar as reformas que o país necessita", disse Karamanlis a milhares de simpatizantes no centro de Atenas. Minutos antes Papandreou havia admitido sua derrota depois de os resultados oficiais mostrarem o partido conservador claramente na liderança."As pessoas escolheram e suas decisões devem ser respeitadas", disse Papandreou, líder do Pasok, partido fundado por seu pai, o ex-primeiro-ministro Andreas Papandreou.O resultado indica uma ligeira queda no apoio aos dois partidos com relação às eleições de 2004, quando o Nova Democracia obteve 45,4% dos votos e o Pasok, 40,5%. Karamanlis convocou eleições com seis meses de antecedência confiante de que a atual situação econômica do país lhe garantiria uma fácil vitória - a previsão de crescimento para este ano é superior a 4%. Mas o apoio foi reduzido depois dos incêndios florestais do mês passado e de uma série de escândalos - como a venda superfaturada de títulos públicos para fundos de pensão. A possibilidade de reeleição do Nova Democracia - e a manutenção de um forte mandato para levar adiante uma série de reformas - havia sido questionada por causa da raiva da população ante o modo como o governo lidou com os devastadores incêndios florestais, que deixaram 65 mortos.Analistas políticos disseram que o Pasok aparentemente não conseguiu tirar proveito dos erros do governo, pois muitos eleitores não perdoaram os socialistas pelos escândalos que ocorreram quando estavam no poder. Os partidos pequenos receberam um substancial apoio. O partido de extrema direita Alerta Ortodoxo Popular (Laos) entrou no Parlamento pela primeira vez.Segundo os resultados parciais, o Laos terá 10 cadeiras no Parlamento; o Partido Comunista, 22; e a Coalizão de Esquerda Radical (Syriza), 12. O Partido Comunista tinha 12 assentos no Legislativo e o Syriza, 6."Os eleitores gregos estão punindo os grandes partidos", disse o consultor do Instituto Kapa Gerasimos Moschonas. "Desde 1958 os pequenos partidos não obtinham tão bom resultado", declarou o diretor do Kapa, Constantine Routzounis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.