Governo cubano esclarece críticas de sua imprensa a Reagan

Autoridades cubanas esclareceram nesta sexta-feira que as duras críticas contra o falecido presidente americano Ronald Reagan divulgadas no início da semana por uma rádio local não representam a opinião do governo sobre o ex-mandatário."O presidente Ronald Reagan foi um tenaz adversário da Revolução Cubana, mas os sensos de ética e pudor dos revolucionários cubanos não se conciliam com a idéia de emitir juízos críticos ou ataques em um momento como esse, de profunda dor para seus familiares", dizia uma breve nota oficial publicada pelo Granma.Na segunda-feira, a emissora cubano Rádio Relógio leu sucessivas vezes um editorial intitulado "Morreu quem não deveria ter nascido", que foi divulgado por correspondentes estrangeiros que trabalham no arquipélago comunista. Em Cuba, toda a imprensa está nas mãos do governo ou do Partido Comunista.O texto de segunda-feira denunciava duramente o presidente americano e suas decisões políticas, acusando-o de belicista e de ter realizado "as piores obras", principalmente no que diz respeito à América Central e ao Oriente Médio."Veículos de comunicação de todo o mundo difundiram tais comentários, apresentando-os como uma declaração oficial das autoridades cubanas", destaca a nota oficial.A chancelaria cubana "recebeu instruções do Diretório de Revolução para esclarecer que os comentários não constituem uma declaração oficial das autoridades cubanas nem expressam sua posição", prosseguia o comunicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.