Governo da Bolívia estuda nacionalizar empresa de telefonia

O governo boliviano começou a analisar uma proposta para nacionalizar a Empresa Nacional de Telecomunicações (Entel), companhia de sociedade mista cuja controladora é a Telecom Itália. Apesar de polêmico, o anúncio não surpreende, uma vez que na segunda-feira o presidente Evo Morales já havia afirmado que novas estatizações ocorreriam no país em 2007.O vice-presidente, Álvaro García Linera, confirmou nesta quinta-feira que a Entel "está em processo de indagação", fato que marcou o período anterior às nacionalizações de empresas multinacionais no ano passado."O objetivo é recuperar as empresas estatais, e que o Estado tenha 50% das ações mais uma", disse Linera. Atualmente, a Telecom Itália possui 50% da Entel, enquanto seus trabalhadores contam com 6% das ações. Na teoria, os 44% restantes são propriedade da população boliviana, mas quem as administram são as Administradoras de Fundos de Pensões (AFP) - grupo controlado por bancos multinacionais. Em um pronunciamento ao Congresso durante as comemorações de seu primeiro ano na Presidência, na segunda-feira, Evo havia anunciado que em 2007 nacionalizaria as companhias mistas em que forem comprovados casos de corrupção e as que não cumprirem com investimentos prometidos. "Com muita sinceridade, se encontrarmos empresas que não cumprem as leis bolivianas, elas voltarão às mãos do Estado", disse o presidente. Das empresas privatizadas no passado, três petroleiras já foram reestatizadas em maio de 2006, e entre as restantes figuram a Entel, as elétricas Corani, Valle Hermoso e Guaracachi e as ferroviárias Andina e Oriental.Evo também quer fortalecer as empresas estatais que perderam importância durante as privatizações empreendidas durante o primeiro mandato de Gonzalo Sánchez de Lozada (1993-1997).O novo ministro de Obras Públicas, Jerjes Mercado, anunciou que entre suas prioridades está a refundação da Empresa Nacional de Eletricidade (Ende), para que esta possa voltar a gerar e distribuir energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.