Governo da China acusa 58 por encobrirem mortes em mina

Acidente ocorreu semanas antes dos Jogos Olímpicos; episódio deixou 35 pessoas mortas

Agência Estado e Associated Press,

30 Novembro 2009 | 14h57

Dezenas de funcionários locais e repórteres chineses foram acusados em um suposto esquema de suborno para ocultar um acidente em uma mina de carvão que matou 35 pessoas, informou nesta segunda-feira, 30, a imprensa local. O acidente ocorreu semanas antes dos Jogos Olímpicos de Pequim.

 

Funcionários do condado de Yuxian, na província de Hebei, pagaram a jornalistas um total de 2,6 milhões de yuans (US$ 380 mil), para que eles não informassem sobre o acidente de 14 de julho de 2008, segundo o China Daily. Morreram no acidente 34 mineiros e um funcionário do resgate.

 

Além de subornar repórteres, os funcionários silenciaram parentes dos mortos com grandes compensações e ameaças, caso eles falassem, informou o diário. Com isso, o assunto foi ignorado durante 85 dias, segundo o jornal, que não explicou como ele acabou descoberto.

 

É bastante comum na China o pagamento de propinas para evitar que altos líderes descubram sobre desastres. Geralmente esses pagamentos são feitos em forma de publicidade ou com a compra novas assinaturas.

 

Os funcionários de Yuxian tinham mais motivos para silenciar, pois o caso ocorreu três semanas antes dos Jogos Olímpicos de Pequim, em meio a uma campanha pela segurança nacional.

 

Dez repórteres e 48 funcionários do setor de segurança do trabalho e o chefe do governo do condado foram acusados por pagar propinas, segundo o China Daily.

 

O setor mineiro da China é o mais perigoso do mundo. Também há registros de chantagens nesses casos, com jornalistas ameaçando revelar acidentes a não ser que haja pagamentos.

 

O suborno na China tem uma escala de punições, variando conforme a seriedade do caso e o resultado do crime. As punições podem variar de sentenças leves até a pena de morte.

Mais conteúdo sobre:
China suborno acidente mina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.