AFP PHOTO/Yamil LAGE
AFP PHOTO/Yamil LAGE

Governo da Colômbia firma acordo com as Farc para remoção de minas terrestres

O governo colombiano e guerrilhas esquerdistas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram neste sábado um acordo para implantar um programa piloto de remoção de minas terrestres em diferentes regiões do país. O acordo é parte de um grupo de medidas para reduzir a intensidade de um conflito que já dura meio século.

Estadão Conteúdo

07 Março 2015 | 19h44

De Havana, onde ocorrem as negociações de paz, o intermediador cubano Rodolfo Benítez afirmou que foi pedida a participação da organização de Ajuda Popular da Noruega para coordenar um processo de limpeza e desarme de minas e artefatos explosivos improvisados.

O batalhão do exército colombiano especializado em remoção de minas será o responsável por retirar os artefatos sob a supervisão de uma equipe verificadora. O grupo será formado por dois membros do governo, dois das Farc e dois representantes das comunidades afetadas.

As tarefas de remoção vão ser levadas a um número determinado de locais, a serem definidos por um estudo feito pela organização não governamental Ajuda Popular da Noruega. A escolha dos locais levará em conta o grau de risco para a população exposta.

"A proposta de remoção de minas terrestres é um primeiro passo, mas é um passo gigante em direção à paz", disse o porta-voz do governo Humberto de La Calle.

Entre 1990 e 2015, as minas terrestres já fizeram mais de 11 mil vítimas entre feridos e mortos. Desse número, 4,2 mil são civis, de acordo com os dados oficiais.

O governo do presidente Juan Manuel Santos e as Farc negociam uma agenda de seis pontos desde o final de novembro de 2012 em Havana. As partes alcançaram acordos parciais sobre assuntos agrários, participação política e luta contra o narcotráfico. Elas conversam agora sobre a reparação às vítimas, a entrega de armas e a reintegração dos rebeldes à vida civil. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Colômbia Farc acordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.