EFE/Cortesía Presidencia de Colombia
EFE/Cortesía Presidencia de Colombia

Governo da Colômbia reavaliará reconhecimento da Palestina como 'Estado soberano'

Administração de Iván Duque examinará 'cautelosamente implicações e agirá de acordo com a lei internacional'; ex-presidente Juan Manuel Santos tomou decisão, protestada por Israel, nos últimos dias de seu mandato

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2018 | 12h04

BOGOTÁ - O novo governo da Colômbia disse que vai reavaliar o reconhecimento dado pelo ex-presidente Juan Manuel Santos à Palestina, depois que a decisão até então desconhecida veio a público na quarta-feira.

Iván Duque tomou posse como presidente na terça-feira e foi informado alguns dias atrás da decisão de Santos, detalhada em uma carta de 3 de agosto ao representante palestino na Colômbia, informou o Ministério de Relações Exteriores.

“Dadas as possíveis omissões que podem vir à tona sobre a maneira como esta decisão foi tomada pelo presidente de saída, o governo examinará cautelosamente suas implicações e agirá de acordo com a lei internacional”, disse o novo chanceler, Carlos Holmes, em comunicado.

Santos decidiu reconhecer a Palestina como um “Estado livre, independente e soberano”, de acordo com a carta, que a chancelaria disponibilizou para a imprensa. “Assim como o povo palestino tem o direito de constituir um Estado independente, Israel tem o direito de viver em paz ao lado de seus vizinhos”, disse a carta.

A embaixada israelense em Bogotá se disse surpresa e decepcionada. “Pedimos ao governo colombiano que reverta a decisão tomada pela gestão anterior em seus últimos dias, que contradiz as relações próximas, a cooperação ampla em áreas vitais e os interesses dos dois países”, disse em um comunicado publicado em sua conta no Twitter.

A decisão veio à luz durante uma visita da embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, à Colômbia. Ela compareceu à posse de Duque na terça-feira e no dia seguinte visitou imigrantes venezuelanos na cidade fronteiriça de Cúcuta.

Os EUA, aliados próximos de Israel, estão recolhendo mais informações sobre a situação e não têm nenhum comentário imediato, disse a missão americana na ONU.

“Agradecemos o governo colombiano por esta decisão e temos certeza de que ela contribuirá significativamente para criar as condições necessárias na busca pela paz no Oriente Médio”, disse o representante palestino em um comunicado na quarta-feira.

A Palestina já foi reconhecida como um Estado soberano pela Assembleia-Geral da ONU, pelo Tribunal Penal Internacional e por ao menos 136 países. Os palestinos querem fundar um Estado em Gaza, na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, terras que Israel capturou na Guerra dos Seis Dias de 1967.

Em dezembro a Colômbia se absteve em uma votação dos 193 membros da Assembleia Geral da ONU sobre uma resolução que pediu que os EUA desistissem de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.