Governo da Dinamarca lamenta incidente com charge de Maomé

O ministro de Assuntos Exteriores da Dinamarca, Per Stig Moeller, ligou para o presidente palestino Mahmoud Abbas para expressar que, para o Governo de Copenhague, é "inaceitável" um ataque contra o Islã. Fontes do escritório de Abbas disseram que o ministro dinamarquês se manifestou em favor de "um diálogo entre as religiões", e ratificou o apoio de seu país ao povo palestino, com quem colabora.Além disso fontes palestinas apontaram que o presidente Abbas "utilizará" a ligação do ministro dinamarquês nas conversas que realizará neste sábado com representantes do Movimento Islâmico Hamas, entre eles xeque Ismail Haniyeh, com vistas à formação do próximo Governo palestino após sua vitória eleitoral. A chamada do ministro dinamarquês é resposta à publicação em um jornal dinamarquês de uma série de caricaturas de Maomé, consideradas ofensivas para os muçulmanos.Aproximadamente 60 milicianos palestinos armados tomaram na quinta-feira o escritório da União Européia (UE) na Cidade de Gaza, que foi fechado e deram um prazo de 48 horas, sob ameaça de seqüestrar cidadãos dinamarqueses, franceses e noruegueses, "para que seus Governos peçam desculpas aos muçulmanos".O único seqüestro, até o momento, foi na quinta-feira de um professor alemão em um hotel da cidade cisjordaniana de Nablus, que foi libertado depois de uma hora. Também foram ameaçados funcionários de organismos internacionais, diplomatas e jornalistas dinamarqueses, e de outros países europeus onde foram reproduzidas as caricaturas.Nesta sexta-feira, fundamentalistas islâmicos pisotearam em Gaza bandeiras da Dinamarca durante uma manifestação de protesto, em que discursou Haniyeh, número um da lista eleitoral do Hamas nas eleições parlamentares do passado 25 de janeiro.A ameaça dos seqüestros foram feitas às portas dos escritórios da UE por milicianos palestinos da Jihad Islâmica, das Brigadas dos Mártires da mesquita de al-Aqsa, e dos Comitês Populares da Resistência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.