Governo da Índia testa com sucesso primeiro míssil de longo alcance

Atualizado às 3h50

Efe,

19 de abril de 2012 | 00h49

 

NOVA DÉLHI - O governo da Índia testou, nesta quinta-feira, 19, com sucesso, seu primeiro míssil nuclear de longo alcance, com um raio de ação superior a 5 mil quilômetros, segundo informaram fontes oficiais citadas pela imprensa local. "O míssil foi lançado por volta das 8 horas e foi um sucesso", disse a porta-voz da Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DRDO, na sigla em inglês), Anuradha Ravi.

 

Esta é o primeiro teste realizado pela Índia com o novo projétil, denominado Agni V, que tem capacidade para atacar alvos situados a mais de 5 mil quilômetros e pode levar ogivas nucleares. As autoridades indianas previam o lançamento para a tarde de quarta-feira na ilha de Wheeler, situada em frente à costa oriental do país, no Golfo de Bengala, mas o plano teve de ser adiado devido a uma forte tempestade.

 

"A Índia é hoje um país com capacidade provada para projetar, desenvolver e produzir um míssil balístico de longo alcance. Agora somos uma potência em matéria de mísseis", disse o chefe do DRDO, V.K. Saraswat. "O rendimento do míssil Agni-V ficou provado com sucesso em suas três fases. Todos os objetivos da missão e os objetivos operacionais foram alcançados", acrescentou.

 

Com o lançamento, a Índia entra em um pequeno grupo de países capazes de atingir alvos a longa distância, composto por Rússia, China, Estados Unidos, França e Reino Unido, embora se acredite que Israel também possui algum tipo de projétil similar. O novo míssil indiano pode chegar, teoricamente, a quase todos os pontos da Ásia e da Rússia, e a algumas das principais cidades da Europa Oriental.

 

O Agni V ainda deve passar por novos testes antes de ser introduzido nas forças armadas da Índia, um país que mantém disputas fronteiriças com a China e o Paquistão, com relações especialmente difíceis com este último.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiamíssilarma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.