Governo da Síria avança sobre áreas rebeldes em Alepo

Vitória de Assad no combate pela cidade - a segunda do país - é considerada fundamental para o ditador reafirmar sua autoridade

ALEPO, SÍRIA, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2012 | 07h42

Tropas leais ao ditador da Síria, Bashar Assad, realizaram ontem um dos mais intensos ataques terrestres contra os rebeldes que tomaram diversos setores de Alepo, há três semanas. A vitória na batalha pela cidade, a segunda maior do país, é considerada fundamental para que o líder sírio reafirme sua autoridade. O domínio rebelde sobre parte da cidade permitiu aos insurgentes assumir o controle de amplas regiões do norte do país.

Segundo a TV estatal síria, as forças do regime se concentraram em Salaheddine, no sul da cidade, matando a maioria dos insurgentes que ocupavam o bairro. "Batemos em retirada, saiam daqui", disse a jornalistas da agência Reuters que chegavam ao local ontem um rebelde que caminhava sozinho. Postos de controle na região usados pelos combatentes anti-Assad na última semana haviam desaparecido.

De acordo com as informações oficiais, "terroristas" também foram mortos em Bab al-Hadeed, bairro central próximo à histórica cidadela de Alepo, e em Bab al-Nayrab, no sudeste da cidade. Apesar da intensa ofensiva, um porta-voz dos rebeldes de Salaheddine afirmou que as tropas do ditador não assumiram o controle do bairro.

"Forças sírias estão posicionadas, mas não entraram e os confrontos continuam", disse o insurgente, que se identificou como Abu Mohamed. Já a agência de oficial síria Sana afirmou que as tropas do governo retomaram o controle de Salaheddine e mataram centenas de "terroristas armados" no bairro.

Um militante do Exército Sírio Livre (ESL), que pediu anonimato, afirmou que os insurgentes de Salaheddine recuaram em direção ao bairro vizinho de Saif al-Dawla que, segundo o rebelde, passou a receber fogo de tanques e caças. Cerca de 40 quilômetros ao norte de Alepo, bombardeios da Força Aérea de Assad atingiram o vilarejo de Tel Rifat. Segundo os moradores, uma residência e uma escola foram atingidas e seis pessoas da mesma família morreram.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, mais de 60 pessoas foram mortas ontem na Síria - 15 eram civis e moradores de Alepo. Na terça-feira, 240 morreram no país, segundo a entidade com sede na Grã-Bretanha.

O governo da Jordânia confirmou que o ex-primeiro-ministro sírio Riyad al-Hijab chegou ao país ontem - e não na segunda-feira, conforme anunciado pelo ESL, em uma aparente manobra para despistar o regime de Assad e facilitar a fuga do político. Vários carros foram mandados a diferentes direções para despistar as forças oficiais.

A Al-Jazeera mostrou um vídeo da fuga do ex-premiê em que oito veículos cruzavam uma paisagem desértica com combatentes rebeldes pendurados em suas janelas. Segundo a TV, ele chegou à Jordânia acompanhado de 35 parentes. / REUTERS, AP e WASHINGTON POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.