Governo das Filipinas se prepara para tempestade

O governo das Filipinas está se preparando para possíveis inundações e deslizamentos de terra à medida que uma tempestade tropical ganha força e se aproxima do litoral leste do país. A tempestade Rammasun deve se intensificar e se transformar em tufão antes de atingir a província de Albay, de acordo com informações do serviço de meteorologia do país.

AE, Agência Estado

14 de julho de 2014 | 16h21

Albay, que fica cerca de 340 quilômetros a sudeste da capital Manila, é uma província frequentemente afetada por desastres naturais. Ali fica o vulcão Mayon, o mais ativo do país, que destruiu vilas inteiras em 2006 e deixou aproximadamente 1,6 mil pessoas mortas ou desaparecidas.

No começo desta segunda-feira a tempestade tropical Rammasun, conhecida no país como Glenda, estava a cerca de 500 quilômetros da cidade de Legazpi, com ventos de 110 quilômetros por hora e rajadas de até 140 quilômetros por hora. A tempestade entrou em território filipino no domingo, mas ainda está sobre o Oceano Pacífico.

"Nossa avaliação inicial é de que não haverá muito problema com o vento. O que tememos são deslizamentos de terra e inundações", afirmou Alexander Pama, diretor executivo do Conselho Nacional de Redução e Administração de Riscos.

As escolas suspenderam as aulas nesta segunda-feira, inclusive em Manila. Autoridades pediram que embarcações não sigam em direção à tempestade e se prepararam para possivelmente terem de retirar moradores de suas casas. O impacto da tempestade deverá ser sentido na região metropolitana de Manila a partir da terça-feira e seguir para o Mar do Sul da China na quarta-feira.

As províncias do centro das Filipinas ainda não se recuperaram totalmente da devastação causada pelo tufão Haiyan em novembro do ano passado. Os fortes ventos do Hayian e ondas semelhantes a tsunamis deixaram pelo menos 6,3 mil pessoas mortas e mais de mil desaparecidas. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
FILIPINASTEMPESTADE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.