Governo de Hong Kong adia votação da lei anti-subversão

O governo de Hong Kong cedeu às pressões e anunciou na manhã desta segunda-feira o adiamento da polêmica votação da lei anti-subversão, que deveria ser votada esta semana no Parlamento de Hong Kong. A decisão foi tomada em um reunião extraordinária após a recusa de James Tien, líder do Partido Libera e aliado diretor-executivo de Hong Kong, Tung Chee-hwa, de seguir com o projeto. Tien afirmou que é necessário discutir mais detalhadamente o assunto com a população. A nova lei, entre outras atribuições, estabelece prisão perpétua para envolvidos em atividades supostamente subversivas e coloca na ilegalidade grupos ligados a organizações proibidas na China. Na semana passada, cerca de 500 mil pessoas protestaram contra o projeto de lei anti-subversão. Foi a maior manifestação desde que o território foi devolvido do Reino Unido para a China, em 1º de julho de 1997. Para a população, a nova lei irá reduzir as liberdades de expressão no território autônomo chinês.

Agencia Estado,

07 Julho 2003 | 05h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.