Governo de Hong Kong exige que manifestantes encerrem bloqueios

Governo de Hong Kong exige que manifestantes encerrem bloqueios

Autoridades disseram que protestos estão afetando a ordem pública; polícia afirmou que tomará providências se prédios forem ocupados

O Estado de S. Paulo

02 de outubro de 2014 | 10h42


HONG KONG - O governo de Hong Kong exigiu nesta quinta-feira, 2, que os manifestantes acabem com o bloqueio do centro da cidade, dizendo que suas ações estavam afetando a ordem pública e a prestação de serviços públicos, enquanto a polícia advertiu que haverá "sérias consequências se os protestos forem intensificados".

Autoridades afirmaram que tentarão reabrir a administração pública nesta sexta. "Cerca de 3 mil funcionários do governo tentarão fazer o melhor que puderem amanhã (sexta-feira) para voltar a trabalhar. Para manter o serviço público, a sede do governo deve funcionar como de costume", disse o governo em comunicado. "Instamos os líderes e organizadores do movimento Occupy Central a encerrarem a manifestação imediatamente."

Em uma entrevista separada, o superintendente da polícia de Hong Kong, Steve Hui, pediu que os manifestantes não bloqueiem ou ocupem edifícios públicos, caso contrário a polícia tomaria medidas em conformidade com a lei.

Os manifestantes começaram a ocupar partes de Hong Kong na sexta-feira, exigindo que o líder de Hong Kong, Leung Chun-ying, renuncie e expresse o seu apoio à democracia plena no território chinês, para que possam escolher livremente o seu próprio líder. Se a renúncia não ocorrer, os manifestantes anunciaram que intensificarão a manifestação e podem ocupar os prédios do governo. / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Hong KongChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.