Governo de Kadafi se reuniu com representantes dos EUA, diz porta-voz

Assunto seria a retomada de relações entre os países; Washington confirma encontro

Associated Press

18 de julho de 2011 | 16h12

Atualizado às 18h

 

TRÍPOLI - Um porta-voz do governo da Líbia disse nesta segunda-feira, 18, que representantes do governo do ditador Muamar Kadafi se reuniram pessoalmente com enviados dos Estados Unidos para tratar da retomada de relações entre os dois países.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia 

 

 

Moussa Ibrahim, o porta-voz, disse que as conversas ocorreram no sábado, mas se recusou a dizer onde a reunião aconteceu. Ele deu poucos detalhes sobre o encontro, mas o chamou de "um primeiro diálogo". "É um primeiro passo, e queremos dar mais passos adiante. Não queremos ficar presos ao passado, queremos avançar", disse em coletiva de imprensa.

 

 

A única informação passada por Ibrahim é de que, na reunião, as partes trataram da retomada das relações entre os dois países, estremecida por causa de informações erradas.

 

Uma fonte do Departamento de Estado americano confirmou a reunião. Segundo ela, o propósito do encontro foi enviar uma mensagem firme e clara de que a única maneira de fazer a Líbia progredir é com a renúncia de Kadafi e negou que tenha sido uma missão de negociações.

 

De acordo com a fonte, que falou sob condição de anonimato, as conversas ocorreram depois de os Estados Unidos reconhecerem os rebeldes como o governo legítimo da Líbia, o que ocorreu na sexta-feira passada. Além disso, ela disse que os representantes americanos não planejam uma nova reunião.

 

Sediados na região leste do país, os insurgentes lutam há meses pelo fim do regime de Kadafi, que já dura 42 anos. A nação africana sofre com a guerra civil desde meados de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.