Governo do Bahrein está 'disposto ao diálogo', diz chanceler

'Todos os assuntos' seriam abordados nas negociações com a oposição, segundo o xeque

Reuters

24 de fevereiro de 2011 | 20h30

MANAMA - O Bahrein busca um diálogo nacional no qual discutirá "todos os temas", disse nesta quinta-feira, 24, o xeque Khaled bin Ahmed al-Khalifa, chanceler do pequeno reino do Oriente Médio. As declarações dele são uma resposta às recentes pressões da população contra o governo por uma sociedade mais igualitária.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

 

Al-Khalifa disse que o diálogo nacional incluiria "todas as partes", entre elas um proeminente opositor que está em Londres e deve voltar ao país. "O que está acontecendo no Bahrein é uma nova transformação, um novo começo para nossas reformas, que começaram faz uma década", disse o chanceler. "Discutiremos tudo o que pudermos", concluiu.

 

O Bahrein está no grupo de países do Oriente Médio que tem vivido dias de protestos contra o governo. No caso do reino, a maioria xiita exige reformas e um governo eleito em vez da monarquia sunita do rei Hamad bin Isa al-Khalifa, no poder desde 1999. O monarca já anunciou o diálogo, mas os protestos seguem. Sete pessoas morreram devido à violência que tomou conta das marchas.

 

O diálogo para tratar dessas reformas, diz o chanceler, devem começar em poucos dias. O opositor que deve participar é Hassan Mushaimaa, líder do movimento xiita Haq. O opositor disse em sua página que retornaria ao Bahrein em pouco tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.