Governo do Egito critica 'pressão estrangeira' no país

Ahmed el-Musalamani, porta-voz do presidente interino do Egito, Adly Mansour, condenou a "pressão estrangeira" em uma mensagem com palavras fortes, que parece indicar uma inquietação do governo em relação a uma enxurrada de visitas de enviados americanos, europeus e do Golfo destinadas a mediar um confronto com partidários do presidente deposto Mohamed Morsi.

CAIRO, Agência Estado

06 de agosto de 2013 | 12h53

El-Musalamani disse que "a pressão estrangeira ultrapassou os limites internacionais", sem fornecer mais detalhes. Os comentários foram feitos um dia depois do vice-secretário de Estado dos EUA, William Burns, se reunir com Khairat el-Shater, um membro importante da Irmandade Muçulmana, de Morsi. A visita de Burns e de autoridades da UE e do Golfo é vista como uma forma de mediar o impasse entre os partidários de Morsi, que estão acampados para protestar contra o golpe de 3 de julho, e o governo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoporta-voz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.