Governo do Equador inicia diálogo com o Congresso

O ministro de Governo (Interior) do Equador, Gustavo Larrea, se reuniu na quarta-feira com o presidente do Congresso, Jorge Cevallos, e garantiu o funcionamento da Câmara. A Casa está em conflito com o Executivo por causa da convocação de uma consulta popular para uma Assembléia Constituinte."Os boatos dos últimos dias de que o governo ia dissolver oCongresso são absolutamente falsos. O governo do Equador garante o pleno funcionamento do Parlamento Nacional", disse Larrea, em entrevista coletiva conjunta com Cevallos, na sede do Legislativo.Larrea e Cevallos se reuniram enquanto continuavam asmanifestações de grupos políticos, sociais, indígenas e estudantis, que apóiam o governo e exigem que os legisladores aprovem a convocação da Assembléia Constituinte.As manifestações da quarta-feira nas imediações do Congresso foram muito menos movimentadas que as da véspera. Houve alguns incidentes, mas sem a violência vista na terça-feira, quando foram feridos cinco policiais e uma fotógrafa da Agência Efe.O ministro de Governo explicou que, apesar das divergências, "o país precisa de uma convivência pacífica", e rejeitou as manifestações violentas. Ele pediu às organizações sociais que apóiam a Assembléia Constituinte que se manifestem "sem obstruir o funcionamento do Executivo e do Legislativo".Larrea pediu ao Congresso Nacional que aprove a consulta popular e, assim, a Assembléia Constituinte.Cevallos, do Partido Renovador Institucional de Ação Nacional (Prian), o maior do Congresso, e de oposição ao governo, disse que o encontro tinha como objetivo tentar acabar com o que chamou de "caos e anarquia" no país.Para Cevallos, a reunião com o governo tem a finalidade de evitar situações de violência e oferecer "paz e tranqüilidade ao povo equatoriano". Ele prometeu que o Congresso "cumprirá a sua função legislativa", para a qual foi eleito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.