Governo do Haiti enfrenta maior protesto desde terremoto

A polícia haitiana disparou bombas de gás lacrimogêneo contra dois mil manifestantes que protestavam, nesta segunda-feira, em frente ao palácio nacional, pedindo a renúncia do presidente haitiano René Préval. Foi o maior protesto público desde o terremoto que devastou o país caribenho em 12 de janeiro deste ano.

AE-AP, Agência Estado

10 Maio 2010 | 20h11

Caminhões com policiais da tropa de choque chegaram ao local e impediram que os manifestantes se aproximassem do palácio. Préval tem sido criticado por ter usado o desastre para, supostamente, permanecer no cargo de presidente após o fim do mandato. O mandato de Préval termina em fevereiro de 2011, mas ele afirmou na semana passada que permanecerá mais três meses no cargo se até lá não for escolhido um novo presidente.

"Ele se aproveita do desastre para permanecer na presidência", disse Hervé Santilus, um sociólogo de 39 anos que foi demitido semanas após o terremoto e não conseguiu encontrar um novo emprego. As eleições no Haiti deveriam ter ocorrido em fevereiro e março, mas foram adiadas por causa do terremoto de janeiro, que deixou pelo menos 230 mil mortos e devastou a infraestrutura do país. Préval foi eleito em 2005 e seu mandato termina em fevereiro de 2011, por isso as eleições adiadas deveriam ocorrer em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.