Governo do Iêmen abre fogo contra ativistas e mata 9 pessoas

Bebê estaria entre os mortos; confrontos já haviam matado 26 no domingo

BBC Brasil, BBC

19 Setembro 2011 | 08h48

Forças do governo abriram fogo contra manifestantes no Iêmen nesta segunda-feira, matando pelo menos nove pessoas. Alguns dos hospitais do país ficaram lotados no fim de semana, com pacientes sendo atendidos no chão.

 

Veja também:
especialESPECIAL: A revolução que abalou o Oriente Médio

 

Cinco pessoas morreram em uma praça na capital Sanaa. Em uma rua próxima, um bebê de dez meses de idade foi morto por um disparo de um atirador de elite. Na cidade de Taiz, no sul do país, três manifestantes morreram.

No domingo, 26 pessoas foram mortas depois que forças do governo abriram fogo com metralhadoras contra multidões.

Líderes da oposição prometeram manter os atos pedindo a renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh, que está há 33 anos no poder. Atualmente ele está na Arábia Saudita, se recuperando de uma tentativa de assassinato ocorrida em junho. Há oito meses, quando a Primavera Árabe eclodiu na região, ativistas vêm pedindo a renúncia de Saleh.

O ministério da Defesa do Iêmen atribui as mortes aos manifestantes. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.