Governo do Japão aprova plano da Tepco para indenizações

O governo vai emitir títulos especiais para ajudar a criar um fundo que permita pagamento a afetados

REUTERS e EFE

13 de maio de 2011 | 10h22

TÓQUIO - O Japão anunciou nesta sexta-feira, 13, um plano para auxiliar a Tokyo Electric Power a ressarcir as vítimas de sua usina nuclear atingida por um terremoto e tsunami ao mesmo tempo em que evita que a empresa declare falência. O anúncio acontece enquanto a Tepco ainda luta para resolver o pior acidente nuclear desde Chernobyl.

O plano, aprovado depois de semanas de debates entre autoridades do governo, banqueiros e executivos da Tokyo Electric sobre quem deveria pagar pela crise, minimiza os medos dos investidores de que o colapso da empresa de energia iria atingir os mercados financeiros.

Ele chega ao mesmo tempo em que engenheiros ainda trabalham para voltar a controlar os reatores da usina Fukushima Daiichi ao norte de Tóquio, dois meses depois do terremoto e tsunami que geraram o vazamento de radiação.

O governo do país vai emitir títulos especiais para ajudar a criar um fundo que vai permitir que a maior empresa de energia e gás da Ásia consiga lidar com as indenizações que devem chegar às dezenas de bilhões de dólares. Não foi fixado um teto nos passivos da Tokyo Electric.

O governo japonês também está considerando a opção de comprar ações preferenciais da Tepco. Nenhum detalhe foi divulgado sobre o tamanho da injeção de fundos, mas parlamentares disseram no início desta semana que a emissão de títulos deve chegar aos 5 trilhões de ienes (62 bilhões de dólares).

Em contrapartida ao apoio, o governo do Japão vai exercer controle "por um determinado período de tempo" na gestão da Tokyo Electric e outras empresas de energia, que também vão pagar taxas anuais para o fundo.

Ainda que aliviados que o pior já tenha passado, os investidores venderam ações da empresa com medo que o governo tomasse as rédeas do setor.

Ações de bancos também tiveram queda depois que o principal porta-voz do governo japonês disse que uma distinção deve ser feita entre os empréstimos feitos muito tempo antes do terremoto e tsunami de março de 2011 e aqueles que foram tomados depois. Além disso, ele disse que os bancos devem ser convidados a cooperar no alívio dos problemas financeiros da Tokyo Electric.

O mercado interpretou os comentários do porta-voz do governo Yukio Edano como uma indicação de que bancos deverão perdoar empréstimos e fazer outras concessões. Ações do grupo financeiro Sumitomo Mitsui Financial, o maior credor da Tepco, caíram 3.8 por cento.

"O governo está avançando sobre os lucros de empresas privadas. Ele violou o lucro das empresas de energia e agora está tentando diminuir a carga para o contribuinte violando o lucro dos bancos", disse Kiyoshi Noda, gerente chefe de fundos da MU Investments.

 

Hamaoka

 

A Chubu Electric desativou nesta sexta o primeiro dos dois reatores operacionais da usina nuclear de Hamaoka, situada em uma zona de alto risco sísmico, à espera que as atividades sejam completamente interrompidas no sábado.

 

A central de Hamaoka se encontra 200 quilômetros ao sul de Tóquio, em uma região onde é alto o risco de ocorrer um terremoto de até 8 graus na escala Richter nos próximos 30 anos, pelo que o Governo exigiu há uma semana que seus reatores fossem desativados.

 

Segundo a agência local "Kyodo", a paralisação foi realizada ao inserir as chamadas barras de controle no núcleo do reator a fim de interromper as reações de fissão, que cessaram às 13h56 locais (1h56 de Brasília).

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOTEPCOINDENIZACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.