Governo do Kuwait dissolve Parlamento e convoca eleições

Pleito deve ocorrer nos próximos 60 dias; gabinete de ministros permanece como interino

Associated Press

06 de dezembro de 2011 | 11h28

KUWAIT - O emir do Kuwait, xeque Sabah al-Ahmed al-Sabah, dissolveu o Parlamento nesta terça-feira, 6, para convocar eleições no pequeno reino do Golfo Pérsico. O Kuwait tem vivido momentos de tensões políticas nas últimas semanas devido a protestos populares contra políticas do governo.

 

Veja também:

especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

A agência oficial do país informou que Sabah tomou a decisão menos de uma semana depois de apontar um novo primeiro-ministro. O gabinete havia renunciado e o emir apontou o então ministro da Defesa, Jaber al-Mubarak al-Sabah, como premiê e o encaregou de formar um novo governo.

 

O decreto do emir, lido na televisão estatal, afirma que "dificuldades em obter progresso e em definir os interesses nacionais" forçaram a decisão da dissolução. Tais circunstâncias, completa o texto, "requerem que o país volte a escolher seus representantes para superar esses obstáculos". Não houve definição de data para o pleito.

 

Parlamentares da oposição e manifestantes invadiram o Parlamento no mês passado para pedir a renúncia do primeiro-ministro Nasser al-Mohammad al-Sabah depois que uma moção para que ele fosse questionado na casa legislativa foi bloqueada pelo gabinete. Opositores afirmaram que a ação foi inconstitucional.

 

As eleições devem ocorrer nos próximos 60 dias, e o primeiro-ministro segue no cargo interinamente até um novo nome ser apontado pelos parlamentares futuramente eleitos.

 

Grupos de oposição acusam o governo de corrupção e de tentar limitar a liberdade de expressão, colocando o Kuwait no grupo de países árabes que vivenciaram manifestações populares. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.