Governo do México menospreza comentário de Chávez sobre Calderón

O governo do México minimizou nesta quarta-feira as declarações do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que disse não reconhecer a vitória de Felipe Calderón, pois ainda está "avaliando" as circunstâncias do processo eleitoral mexicano."Para a Presidência da República, as declarações de Chávez não têm a menor importância", disse em entrevista coletiva Rubén Aguilar, porta-voz do presidente do México, Vicente Fox.O porta-voz do Executivo se recusou a dizer se considerava as declarações do governante da Venezuela como uma intromissão nos assuntos internos do México, ou se agravavam as tensões bilaterais."Essas declarações não merecem nenhum comentário nosso, e as duas chancelarias continuam trabalhando para tentar elevar nossas relações diplomáticas", disse Aguilar.Chávez declarou na terça-feira que seu governo não ainda não reconhece Calderón como presidente eleito do México, e avalia "as circunstâncias nas quais o processo eleitoral ocorreu".O governante venezuelano mencionou "as denúncias e evidências de ocorrências estranhas" nas eleições de 2 de julho, vencidas por Calderón, e que tiveram impugnação pedida pelo candidato esquerdista Andrés Manuel López Obrador.Calderón pertence ao conservador Partido Ação Nacional (PAN), de Fox, enquanto López Obrador faz parte do Partido da Revolução Democrática (PRD).O dirigente do PRD convocou para o próximo sábado, Dia daIndependência do México, uma Convenção Nacional Democrática, na qual espera a presença de mais de um milhão de seguidores. López Obrador pretende ser proclamado por eles "presidente legítimo" e "chefe deum governo paralelo de resistência".O candidato esquerdista acusou Fox, Calderón, os empresários e outros "setores da direita mexicana" de terem preparado a fraude nas eleições. O Tribunal Eleitoral rejeitou em 5 de setembro as acusações, declarando Calderón presidente eleito.Aguilar também afirmou nesta quarta-feira que o México incentivará a integração "continental", pois acredita que permitirá aos países da região competirem melhor em um mundo globalizado, além de "elevar o nível de vida de seus habitantes".México e Venezuela reduziram suas relações diplomáticas em novembro de 2005, após uma controvérsia entre Chávez e Fox pela criação da Área de Livre-Comércio das Américas (Alca), à qual Caracas se opõe. Naquela ocasião, Chávez chamou Fox de "filhote do império", o que irritou o governo mexicano, que desde então exige desculpas de Caracas como condição para restabelecer as antigas relações diplomáticas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.