Governo do Paquistão é o primeiro na história a completar mandato

O governo eleito do Paquistão completou seu mandato de cinco anos neste sábado, deixando um legado de violência do movimento Taliban, agitação sectária, cortes crônicos de energia e uma economia frágil. É o primeiro gabinete na turbulenta história do país a conseguir completar seu mandato.

Reuters

16 de março de 2013 | 16h40

O Parlamento foi dissolvido à meia-noite depois do encerramento do período do governo e uma administração interina irá comandar o país até as eleições gerais que devem ser realizadas no prazo de 90 dias.

A expectativa é a de que o primeiro-ministro Raja Pervez Ashraf permaneça no cargo até a nomeação de um premiê interino, em um processo que deve levar alguns dias.

Ashraf defendeu o governo em pronunciamento de despedida na TV. Ele disse ter promovido reformas econômicas, elevado os salários dos funcionários públicos e lançado projetos de desenvolvimento. "É verdade que não podemos satisfazer as expectativas do povo do Paquistão, mas tentamos o nosso melhor para controlar os problemas e fortalecer a democracia", afirmou.

O governo conseguiu manter-se no poder, apesar de confrontos frequentes com os poderosos generais do Paquistão e uma atitude cada vez mais intervencionista do Supremo Tribunal de Justiça, que investigou autoridades.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOGOVERNOMANDATO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.