Governo do Paquistão se reúne para discutir resposta às inundações

Objetivo é garantir a distribuição dos fundos de ajuda aos atingidos pelas chuvas

Efe

19 de agosto de 2010 | 05h41

 

ISLAMABAD - O governo do Paquistão realiza nesta quinta-feira, 19, uma reunião extraordinária para avaliar detalhadamente a situação atual das inundações no país, com o objetivo de criar um ente independente para garantir a transparência na distribuição dos fundos de ajuda, informou uma porta-voz governamental.

 

Veja também:

linkEnchentes deixam mais de 4 milhões desabrigados

mais imagens Galeria de fotos: Chuvas no Paquistão

O primeiro-ministro Yousef Raza Gilani presidirá o encontro da Comissão Nacional de Gestão de Desastres (NDMC), integrada por vários ministros, e que terá participação também dos representantes dos diferentes corpos das Forças Armadas, da oposição política e das administrações provinciais.

Durante a reunião, que começa às 11h30 locais (3h30 em Brasília), "será revisto o estado das inundações e dos trabalhos de assistência" aos milhões de desabrigados. Além disso, será abordada a criação de uma comissão independente para a gestão dos fundos de ajuda, segundo a fonte governamental.

Este último ponto é relevante, segundo alguns analistas, que garantem que há certa desconfiança na comunidade internacional em relação à transparência do governo paquistanês.

As piores inundações dos últimos 80 anos no país já mataram quase 1.500 pessoas, e deixou cerca de 20 milhões de desabrigados, segundo os dados das autoridades.

Desabrigados

 

Mais de 4 milhões de paquistaneses ficaram desabrigados após quase três semanas de enchentes, informou a Organização das Nações Unidas (ONU) também nesta quinta-feira, alertando para a urgência de obter ajuda para o país. Anteriormente, o órgão havia afirmado que 2 milhões de pessoas tinham perdido suas casas nas inundações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.