Governo do Peru quer proibir gays e adúlteros na polícia

Ministra diz que quer 'melhorar imagem' da instituição; para ativistas, medida é inconstitucional.

Dan Collyns, BBC

14 de maio de 2009 | 07h12

O governo do Peru anunciou propostas que vão proibir homossexuais e adúlteros na polícia, argumentando que eles prejudicam a imagem da instituição.

Esta determinação é uma das novas medidas apresentadas pela ministra do Interior, Mercedes Cabanillas.

Ela está tentando reformar a instituição, que tem uma péssima reputação junto à opinião pública, mas críticos dizem que algumas das novas normas, especialmente as relativas à orientação ou atividade sexual, são inconstitucionais.

A proposta de Cabanillas determina que qualquer policial que tiver relações sexuais com alguém do mesmo sexo será suspenso indefinidamente da força.

O mesmo se aplicará a policiais que tiverem casos extraconjugais, porque suas ações também são consideradas passíveis de causar um escândalo e denegrir a imagem da instituição.

As novas normas preveem ainda a demissão de policiais que aceitarem suborno e organizarem ou participarem de greves e passeatas de protesto.

O estilo de Cabanillas rendeu-lhe alguma popularidade e o apelido de "Thatcher" da mídia peruana (numa referência à primeira-ministra conservadora britânica Margaret Thatcher, conhecida como a Dama de Ferro).

O machismo tradicional no Peru faz com que poucas pessoas abertamente homossexuais entrem para a polícia, mas ativistas pelos direitos dos gays estão ganhando força e a nova legislação para a instituição deverá provocar polêmica.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.