Governo do Quênia pede que Parlamento aprove acordo de paz

Parlamentares se reúnem pela primeira vez após a assinatura do pacto entre presidente e oposição

Agências internacionais,

06 de março de 2008 | 11h25

O presidente do Quênia, Mwai Kibaki, pediu aos parlamentares do país que aprovem as leis necessárias para a entrada em vigor de um novo acordo de partilha de poder. O pedido foi feito nesta quinta-feira, 6, quando ocorreu a primeira sessão do Parlamento desde que o acordo foi assinado, na semana passada. O tratado determina que Kibaki partilhe o poder com o líder de oposição Raila Odinga.   Os dois declararam-se vencedores nas eleições presidências de 27 de dezembro do ano passado em meio a fortes suspeitas de manipulação dos resultados pelo governo. A disputa pelo poder desencadeou semanas de derramamento de sangue durante as quais mais de mil pessoas morreram e ficaram as expostas as desigualdades econômicas e da propriedade da terra no país.   O acordo envolve a criação do cargo de primeiro-ministro para Odinga e prevê que a distribuição de ministérios dentro do novo gabinete reflita a divisão de forças no Parlamento. A nova coalizão será liderada pelo presidente e o líder da oposição - que pertence ao Movimento Democrático Laranja (ODM, na sigla em inglês), que tem a maior bancada no Parlamento - deve provavelmente assumir o recém-criado cargo de primeiro-ministro.   Segundo a BBC, cada partido nomeará um vice-primeiro-ministro e outros ministros serão indicados de maneira que reflita a força dos partidos na Assembléia Nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
Quêniacrise política

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.