Governo do Quirguistão declara estado de emergência no sul do país

Simpatizantes do presidente deposto Kurmanbek Bakiyev saquearam lojas e incendiaram carros

Reuters,

10 de junho de 2010 | 20h25

MOSCOU- O Quirguistão declarou nesta sexta-feira, 11, (quinta no horário de Brasília) estado de emergência na cidade de Osh, no sul do país, e enviou veículos armados à região após grupos de jovens terem quebrado janelas, invadido lojas e incendiado carros, de acordo com a agência de notícias russa Interfax.

 

O sul do Quirguistão era o reduto do ex-presidente Kurmanbek Bakiyev, deposto em abril em uma revolta que causou preocupação na Rússia, China e Estados Unidos.

 

Segundo a Interfax, o governo interino em Bishkek, instituído após a derrubada de Bakiyev, declarou estado de emergência e impôs um toque de recolher em Osh. O vice-ministro do Interior, Bakyt Alymbekov, foi nomeado comandante da cidade.

 

De acordo com uma fonte citada pela Interfax, cerca de sete veículos armados circulavam nas ruas centrais de Osh. Vários carros, inclusive um da polícia, foram incendiados e algumas lojas foram saqueadas. Grupos de jovens se reuniram em vários pontos da cidade.

 

Uma fonte policial citada pela agência russa afirmou que unidades das forças de segurança fizeram uma reunião na praça central da cidade para acordar táticas de como restaurar a ordem. A Interfax não deu mais detalhes.

 

O Quirguistão, ex-república soviética, tem uma base militar americana e outra russa em seu território. A base militar dos Estados Unidos é estratégica para o ofensiva americana no Afeganistão. 

 

Tensões políticas entre o sul agricultor e norte do país coexistem com rivalidades étnicas. Osh é uma parte particularmente volátil do país. A cidade de cerca de 200.000 habitantes está localizada na fronteira entre o Quirguistão, Usbequistão e Tajiquistão.

 

Em 1990, pouco antes do colapso da União Soviética, centenas de pessoas foram mortas em confrontos étnicos entre usbeques e quirguizes na região de Osh.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.