Governo do Sudão do Sul aceita pôr fim a hostilidades

Anúncio foi feito por líderes africanos reunidos em Nairóbi; espera-se que ex-vice-presidente Riek Machar também assuma compromisso

O Estado de S. Paulo,

27 de dezembro de 2013 | 12h36

NAIRÓBI - O governo do Sudão do Sul aceitou pôr fim às hostilidades que resultaram na morte de centenas de pessoas nas últimas semanas, anunciaram líderes africanos reunidos em Nairóbi nesta sexta-feira, 27.

Por meio de nota, os líderes de um bloco regional formado por Djibuti, Etiópia, Somália, Sudão do Sul e Sudão disseram que recebiam "com satisfação o comprometimento do governo da República do Sudão do Sul com o fim imediato das hostilidades".

No comunicado, os líderes africanos pediram ao ex-vice-presidente Riek Machar que "assuma compromisso similar". Machar é acusado de orquestrar uma tentativa de golpe contra o presidente sul-sudanês Salva Kiir.

Os líderes do bloco também manifestaram oposição a qualquer mudança violenta de governo no país mais jovem do mundo e conclamam Kiir e seus adversários a darem início a negociações de paz ainda este ano. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
Sudão do SulconflitosSlava Kiir

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.