Governo do Zimbábue reprime protesto com violência

Policiais e soldados do Exército do Zimbábue dispararam munição real, bombas de gás lacrimogêneo e partiram para cima de manifestantes para encerrar um protesto contra o governo do presidente Robert Mugabe. Um manifestante foi baleado na perna. Dezenas de outros foram obrigados a se deitar no chão enquanto soldados e policiais os espancavam.Veículos blindados e armados com metralhadores giratórias patrulhavam as ruas de Harare, a capital. Nos principais cruzamentos da cidade, soldados e policiais levantaram postos de controle. Líderes oposicionistas foram cercados. As leis de segurança do país permitem ao governo dispersar qualquer aglomeração pública.O Movimento por Mudanças Democráticas, principal grupo de oposição do Zimbábue, convocou semanas de greves e protestos, na mais ousada iniciativa contra os 23 anos de governo de Mugabe.O Zimbábue enfrenta atualmente sua pior crise econômica e política desde a independência do país, em 1980. Ajuda, empréstimos e investimentos estrangeiros minguaram na medida em que aumentaram a violência política, os abusos contra os direitos humanos e as invasões das fazendas de brancos, principalmente após as eleições do ano passado.A ajuda estrangeira com alimentos evitou a fome generalizada. No entanto, o país enfrenta uma inflação anual recorde de 269% e a falta de comida, medicamentos, gasolina e dinheiro. Por meio da imprensa estatal, o governo prometeu reprimir qualquer manifestação pública.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.